Sábado, 10 de Fevereiro de 2007

Biografia


 


 

José Maria Eça de Queirós nasceu na Póvoa de Varzim em 25/10/1845 e faleceu a 16/08 /1900 em Paris (o seu funeral foi em Lisboa no mês seguinte). É considerado uma das personagens mais importantes da literatura romântica Portuguesa.
Filho ilegítimo do Dr. José Maria Teixeira de Queirós, juiz do Supremo Tribunal de Justiça, e de sua futura mulher, D. Carolina de Eça, ingressou no curso de Direito da Faculdade de Coimbra em 1861, com 16 anos.
Formou-se em 1866 e fez parte de um jornal político em Leiria, o qual abandonou rapidamente, indo para Lisboa, instalando-se em casa dos seus pais, (1867) onde exerceu advocacia, actividade que também praticou por pouco tempo. Durante este período contribui com artigos para a Gazeta de Portugal e chega a traduzir obras para o teatro D.Maria I. Tornou-se grande amigo de Antero de Quental, quando representam juntos no Teatro Académico, e mais tarde forma com ele um grupo literário que incluía: Ramalho Ortigão, Oliveira Martins, Salomão Saraga e Lobo de Moura.
Optou então pela carreira política e diplomática
Em 1870 é nomeado administrador municipal do concelho de Leiria, onde começa a escrever uma das suas mais famosas obras, "O Crime do Padre Amaro". Nesse mesmo ano toma provas para se tornar cônsul de 1ª classe, ficando classificado em primeiro lugar.
No ano de 1871 Eça inicia juntamente com Ramalho Ortigão a publicação do jornal As Farpas, um jornal mensal que satirizava a vida portuguesa.
Dois anos depois obtém a nomeação de cônsul geral de Havana, onde permanece alguns anos. Em 1874 foi transferido para Newcastle e dois anos depois para Bristol onde escreve "O Primo Basílio" (1878).
Casa com a Sr.ª D. Emília de Castro Pamplona, irmã do conde de Resende em 1886.
Permaneceu cônsul no Reino Unido durante 14 anos até ser nomeado para Paris, em 1888, ano da primeira publicação de "Os Maias", a sua obra mais consagrada.

Serve em França até à sua morte por tuberculose em 1900, em Neuilly, tendo o seu corpo sido transladado para Portugal onde jaz no cemitério do Alto de S. João em Lisboa
Postumamente, foram publicadas várias obras como: "A ilustre Casa de Ramires" (1900), "A correspondência de Fradique Mendes" (1900), "A Cidade e as Serras (1901) e Prosas bárbaras, colecção de artigos publicados na Gazeta de Notícias(1905)

Bibliografia:
- A Morte de Jesus, no folhetim Revolução de Setembro (12, 13, 14, 27 e 28 de Abril, e 11 de Maio de 1870);
- O Mistério da Estrada de Sintra (1870), em colaboração com Ramalho Ortigão, publicadas em 1871, no Diário de Notícias
- Singularidades duma Rapariga Loira, 1874
- O Crime do Padre Amaro (1876 - 2ª versão), primeira em 15/Fev./1875;
- O Primo Basílio (1878);
- O Mandarim (1880), publicado no Diário de Portugal;
- Outro Amável Milagre (1885), in AAVV, Um Feixe de Penas, Lisboa, Tipografia de Castro & Irmão;
- Festa de crianças (1885), in AAVV, Beja-Creche, Coimbra, Imprensa da Universidade;
- A Relíquia, Porto (1887), Livraria Internacional de Ernesto Chardron, de Lugan e Genelioux, Sucessores;
- Os Maias - 2Vols. (1888), Porto, Livraria Internacional de Ernesto Chardron, de Lugan e Genelioux, Sucessores;
- Fraternidade (1890), in AAVV, Anátema, Coimbra, Gaillaud, Aillaud & C.ª;
- As Farpas (1890/91), crónica mensal da política, das letras e dos costumes, por Eça de Queirós e Ramalho Ortigão, iniciada em Maio de 1871- Uma Campanha Alegre - de As Farpas (2vols - 1890/91), Lisboa, Companhia Nacional Editora;
- As Minas de Salomão (trad.) (1891), de Rider Haggard, Porto, Livraria Internacional de Ernesto Chardron, de Lugan e Genelioux, Sucessores;
- Almanaques (prefácio - 1895), in Almanaque Enciclopédico para 1896, Lisboa, Livraria A. M. Pereira;
- Um Génio que era um Santo (1896), in AAVV, In Memoriam de Antero de Quental, Porto, Mathieu Lugan
- A Duse (1898), in AAVV A Duse, Lisboa, Tipografia da Companhia Nacional Editora;
- A Correspondência de Fradique Mendes (1900) - em 1889 na Revista de Portugal;
- A Ilustre Casa de Ramires (1900);
- A Cidade e as Serras (1900);
- Episódios da Vida Romântica, em 2 tomos;

Fontes:

AMARAL, Manuel. Eça de Queirós, Acedido em: 10, Fevereiro, 2007, Nosso São Paulo, http://www.nossosaopaulo.com.br/Reg_SP/Barra_Escolha/B_EcaDeQueiros.htm

José Maria Eça de Queirós or Eça de Queirós, Acedido em: 10, Fevereiro, 2007, Kirjasto, http://www.kirjasto.sci.fi/ecade.htm

Vida e Obra de Eça de Queirós. Acedido em: 10, Fevereiro, 2007, Biblioteca Nacional, http://purl.pt/93/1/biobibliografia/index.html

Eça de Queiroz. Acedido em: 10, Fevereiro, 2007, Wikipedia, http://pt.wikipedia.org/wiki/E%C3%A7a_de_Queiroz

sinto-me:
publicado por Martini às 17:21
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.relógio

.podcast



.posts recentes

. Video da Nossa Comunidade...

. Depois de algum tempo....

. Representantes do Distrit...

. É o Fim!

. Vídeo

. "The End"

. “Os Maias – Episódios da ...

. Podcast completo

. Logotipo

. O que é Os Maias?

.arquivos

. Julho 2007

. Junho 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.música ambiente

Música freeware, abrangida pelo acordo creative commons.

.tags

. todas as tags

.Deixa um Comentário


.Responde


Os Maias
Já leste os Maias?
Sim
Não
Li o resumo
Ainda quero ler
O vosso site incitou-me a ler

Resultado Parcial

..

.Nós

.subscrever feeds